Home | Cultural | Teatro | História do Teatro
Rito primitivo

Do Rito Primitivo ao Nascimento do Drama


O homem caçador, antes de iniciar a caça, realizava rituais que o ajudaria na sua missão. Os atuantes meio dançavam, meio representavam (movimentos de corpo, pulos, saltos), cobriam-se com máscaras, peles e folhagens para identificar-se com o espírito animal. Dessa maneira, o homem primitivo começava a aguçar sua consciência da natureza e intensificava seu ajustamento a ela. Representava uma caçada e seu sucesso nela, tentando torná-la realidade.

[ Continue lendo sobre Do Rito Primitivo ao Nascimento do Drama ]
Teatro Grego

Teatro Grego - parte I


É na Grécia, que o teatro e o drama, assumem a sua feição definitiva. Das suas raízes religiosas, advindas do culto a Dioniso, nasce o TEATRO GREGO. Esse culto agrário chegou à Grécia através da Trácia e da Frigia e lá se associou à vindima e ao ciclo das estações do ano; ou se implantou em Atenas e na sua região, sobre resquícios de antigo culto da mesma natureza, comum a todo o Mediterrâneo Oriental, assim se explicando os ARQUÉTIPOS que facilitaram a rápida aceitação de Dioniso, deus estrangeiro. Num primeiro estágio a principal solenidade consistia na caça de um animal selvagem, que representava o deus, sacrificado em seguida. Uma cerimônia acompanhada de libações, danças e música, já contendo o germe da representação dramática.

[ Continue lendo sobre Teatro Grego - parte I ]
Teatro Grego

Teatro Grego - parte II


A tragédia grega é a imagem do homem e dos deuses face ao destino inelutável, como está retratado em Édipo-Rei, de Sófocles. Conquanto a epopéia tivesse servido de transmissor, a sua matéria-prima foi na verdade o mito e, por seu intermédio, pode também deixar entrever, momentos fundamentais da cultura humana, como em Prometeu Acorrentado e na Oréstia, de Ésquilo.

[ Continue lendo sobre Teatro Grego - parte II ]
Teatro Grego

Bibliografias


  • NIETZSCHE, Friedrich. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo e Pessimismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.
  • PAVIS, Patrice. Dicionário do Teatro. São Paulo, Ed. Perspectiva S. A ., 1999.
  • VERNAN, Jean-Pierre. Mito y Pensamiento en la Grécia Antiga. Barcelona, Editorial Ariel S. A .,1985.
  • CHEVALIER, Jean e GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro. Ed. José Olympio, 1993.
  • CAMPBELL, Joseph. O Poder do Mito. São Paulo, Ed. Palas Atena, 1990.
  • CAMPBELL, Joseph. Para Viver os Mitos. São Paulo, Editora Cultrix, 1997.
  • BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo, Ed. Perspectiva, 2000.
  • GASSNER, John. Mestres do Teatro I. São Paulo, Ed. Perspectiva, 1974.
  • FREIRE, Antônio. O Teatro Grego. Alemanha, Publicações da Faculdade de Filosofia de Braga, 1985.
  • SISSA, Giulia e DETIENE, Marcel. Os Deuses Gregos. São Paulo, Ed. Círculo do Livro S.A., 1990.
  • AMARAL, Ana Maria. Teatro de Formas Animadas. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1991.
  • ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano. Lisboa, Ed. "Livros do Brasil", 1956.
  • ELIADE, Mircea. Tratado da História das Religiões. Lisboa, Ed. Cosmo, s.d.
  • SPROUL, Bárbara C. Mitos Primais. São Paulo, Ed. Siciliano, 1994.
  • TOUCHARD, Pierre-Aimé. Dioniso: Apologia do Teatro. São Paulo, Ed. Cultrix, 1978.
  • JAEGER, Werner. Paidéia. São Paulo, Ed. Martins Fontes, 1995.
  • ILUSTRAÇÕES: O Teatro Grego, Prof. Antônio Freire. Publicações da Faculdade de Filosofia, BRAGA 1985.
  • Quer falar com a gente? (31) 3281.1196 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil / estudio@caleidoscopio.art.br || Produção: Caleidoscópio Multimídia