Home | Cultural | Música | História do Rock no Cinema | Jovem Guarda
filme: Absolutamente Certo

filme: Roberto Carlos em ritmo de aventura

filme: Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa

filme: Roberto Carlos a 300km por hora

Jovem Guarda


Texto: Rober Machado
Colaboração: site Omelete


Enquanto toda a história relatada nos artigos anteriores desta série acontecia, no Brasil a situação não era muito diferente: também tivemos o rock brasileiro presente nas telonas.

O primeiro grupo brasileiro a usar uma guitarra elétrica, Betinho e Seu Conjunto, também foi a primeira autêntica banda de rock a aparecer num filme. Tocaram seu sucesso Enrolando o Rock em Absolutamente Certo, de Anselmo Duarte, em 1957. Era uma chanchada que, assim como as outras da época, trazia números musicais com cantores e grupos que estavam fazendo sucesso. Essa prática, também presente nos filmes norte-americanos, continuou durante toda a década de 1960.

Da televisão para o cinema


Em 1965, foi criado um programa de televisão chamado Jovem Guarda, que apresentava grupos de iê-iê-iê, um rock suave voltado para os adolescentes, com letras românticas e descontraídas. O programa era comandado por Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléia, que se tornaram os principais representantes desse período.

Aproveitando o sucesso do ritmo, foi lançado em 1966 o filme Na Onda do Iê-Iê-Iê, estrelado por Renato Aragão e Dedé Santana, com números musicais de Golden Boys, Renato e Seus Blue Caps, The Fevers, Os Vips, Wanderley Cardoso, Leno & Lilian, entre outros.

Nesse mesmo ano, Jerry Adriani protagonizou o primeiro dos seus três filmes, Essa Gatinha é Minha, dirigido por Jece Valadão. No ano seguinte foram lançados Em Busca do Tesouro e Jerry, a Grande Parada, ambos de Carlos Alberto de Souza Barros.

O grupo Os Incríveis também estrelou um filme em 1967 chamado Os Incríveis Neste mundo Louco, dirigido por Brancato Júnior.

Filmes do Rei


Com o sucesso do programa de TV, Roberto Carlos ficou conhecido como o Rei da Jovem Guarda (hoje ele é somente o Rei). Mesmo já tendo participado de alguns filmes, como Alegria de Viver (1958), Agüenta o Rojão (1958) e Minha Sogra é da Polícia (1958), era hora de Roberto protagonizar seu próprio filme.

Em 1966 foi iniciada a produção de SSS Contra a Jovem Guarda, com roteiro de Jean-Claude Bernardet e Jô Soares e a direção de Luiz Sérgio Person, responsável por São Paulo S/A e O Caso dos Irmãos Naves. Foram filmadas algumas imagens documentais do programa televisivo, mas o que seria o primeiro filme da Jovem Guarda não foi concluído por motivos até hoje não explicados. Algumas dessas cenas estão presentes no documentário Person, que a apresentadora Marina Person fez sobre seu pai.

A base deste roteiro, com bandidos raptando Roberto Carlos após o programa da TV, foi aproveitada no que foi efetivamente seu primeiro longa como astro: Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, lançado em 1967. A direção ficou a cargo de Roberto Farias, diretor do excelente Assalto ao Trem Pagador. No encontro entre os dois Robertos, ficaram estabelecidos alguns parâmetros para o roteiro: o Rei não poderia sofrer, não poderia amar e não poderia beijar. Ou seja, nada dos requisitos básicos para a construção de um personagem. Para o roteiro, Roberto Farias teve que usar toda a sua imaginação para contornar esse problema e resolveu que o filme seria uma metalinguagem, um filme sobre um filme. Na história, Roberto está fazendo um filme e é raptado por uma quadrilha internacional, liderada por José Lewgoy, o eterno vilão do cinema brasileiro.

Num ritmo que mistura as primeiras aventuras dos Beatles com James Bond, o filme ficou leve e divertido, misturando ação com números musicais. Há cenas antológicas, como a de Roberto dentro de um carro pendurado por um guindaste e outra atravessando um túnel com um helicóptero. Na trilha estão presentes Eu Sou Terrível, Quando, Por Isso Eu Corro Demais, De Que Vale Tudo Isso, Namoradinha de um Amigo Meu e outros sucessos.

Seu segundo filme foi lançado em 1970, Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa, também com roteiro e direção de Roberto Farias. O elenco reúne os três maiores astros da Jovem Guarda, Roberto, Erasmo e Wanderléia, além de José Lewgoy reprisando o papel de vilão. No enredo, a Ternurinha compra uma estátua na qual está escondido um mapa com a localização de um diamante cor-de-rosa trazido por fenícios ao Brasil. Segue uma série de aventuras para resolver o mistério e fugir dos vilões, envolvendo até uma luta de espadas com samurais. Filmado durante quase um ano, com locações no Brasil, Portugal, Israel e Japão foi outra produção de grande sucesso. Na trilha, temos As Curvas da Estrada de Santos e É Preciso Saber Viver, entre outras.

Em 1971, repetiu-se mais uma vez a parceria entre os dois Robertos com Roberto Carlos a 300 km Por Hora. Dessa vez Roberto interpreta um personagem, o mecânico Lalo, que trabalha numa revendedora e quer ser um piloto de corridas - sonho dividido com seu amigo Pedro Navalha (Erasmo Carlos), enquanto é apaixonado pela namorada de seu patrão (Raul Cortez). O filme aproveitou para filmar as cenas de corrida durante a Copa Brasil, uma competição internacional ocorrida em Interlagos e vencida por Emerson Fittipaldi, que aparece rapidamente numa das cenas.

Esse é o único filme que Roberto não aparece cantando e suas músicas somente fazem parte da trilha sonora. Mesmo tendo Todos Estão Surdos na abertura, a trilha já dá sinais do rumo da carreira de Roberto a partir daquele montento, como cantor romântico, deixando de lado o rock simples da Jovem Guarda. Roberto Carlos a 300 km Por Hora foi também o último filme do Rei.

Já o seu amigo de fé e irmão camarada Erasmo Carlos esteve presente em outras produções. Uma delas foi Agnaldo, Perigo à Vista, de 1969, que também contou com a participação de Eduardo Araújo e Wanderléia. Também atou na comédia Os Machões, de 1972, dirigido por Reginaldo Farias, e no infantil O Cavalinho Azul, de 1984, com direção de Eduardo Escorel.

Quer falar com a gente? (31) 3281.1196 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil / estudio@caleidoscopio.art.br || Produção: Caleidoscópio Multimídia