Home | Cultural | Teatro | Teatro Contemporâneo | Konstantin Stanislawski

Konstantin Stanislawski

(uma proposta ética e a busca da organicidade na ação cênica)

Texto:
Cristina Tolentino


última foto de Stanislawski (1863 - 1938), alguns meses antes do seu falecimento
Stanislawski (1863 - 1938), alguns meses antes do seu falecimento,
circundado por alunos, atores e diretores durante um ensaio em seu estúdio.
Foto retirada do livro "A Arte Secreta do Ator", de Eugênio Barba e Nicola Savarese.

A contribuição de Stanislawski para o teatro moderno e contemporâneo é, sem dúvida, de fundamental importância, enquanto arte do ator e da montagem.
A busca de uma criação orgânica, em que o ator esteja inteiro e integrado na ação cênica e a dimensão estética e ética, trouxe para o teatro a recuperação do seu verdadeiro sentido: "viva a arte em você e não você na arte". Este conceito tornado prática nas experiências do teatro de Stanislawski, vem trazer uma nova dimensão a esta arte: a união do homem e do artista, a dedicação, a generosidade, a disciplina, a sensibilidade, a formação constante do ser inteiro do ator, o jogo dialético da interioridade e da exterioridade.

Konstantin Sergueievich Alexeiev Iakovlev é o nome verdadeiro de Stanislawski. Em seu trabalho procurou desenvolver nos seus atores habilidades e qualidades que proporcionaram aos mesmos, a oportunidade de liberar sua individualidade criativa, aprisionada, muitas vezes, por padrões estereotipados que Stanislawski percebeu e criticou no teatro comercial de sua época. Ele diz que a libertação e a individualidade devem ser o objetivo principal de toda escola teatral.

Treinamento nos estúdios de Stanislawski em Moscou
Treinamento nos estúdios de Stanislawski em Moscou.
Seguindo a linha das ações físicas, exercícios com bastões.
Foto retirada do livro "A Arte Secreta do Ator", de Eugênio Barba e Nicola Savarese.

Num primeiro momento, Stanislawski busca abrir o caminho das potencialidades criativas de seus atores. Potencialidades profundamente ocultas, que serão descobertas durante o processo de trabalho, através de atividades que preparem o ator para o trabalho criativo. Ele vai buscar no inconsciente a fonte para esse processo. É neste estágio que Stanislawski trabalhou com seus atores ativando a "memória emotiva" (memória pessoal do ator) para a criação do personagem, além do "se" mágico (dada uma determinada circunstância, como eu reageria?). Mas ao longo das suas pesquisas, ele vai percebendo que o trabalho em cima dos sentimentos é algo bastante abstrato. É quando descobre a importância das "ações físicas". Nesta fase ele chega mesmo a negar a experiência anterior: "Não me falem de sentimentos, não podemos fixar sentimentos, só podemos fixar as ações físicas".

É neste estágio que o conceito "memória emotiva" muda para "memória corporal".
"O ator é o maestro das ações físicas", diz Stanislawski. São as ações físicas que guiam o ator ao verdadeiro sentido no processo de elaboração de seu papel e também representam o meio principal para a expressividade do ator.
E uma das primeiras condições é que o ator pense no que vai fazer e não no que vai sentir: "o ator sobe no palco não para sentir ou experimentar emoções e sim para atuar."

Stanislawski dizia: "Não espere emoções, atue imediatamente". Persuadir, consolar, perguntar, reprovar, perdoar, esperar, perseguir são verbos que expressam ações da vontade, ao contrário dos verbos irritar-se, compadecer, chorar, rir, odiar, amar, que expressam sentimentos. Se o ator ler na anotação do autor "chora" e busca com toda sua força extrair lágrimas, sendo que as lágrimas não surgem, vai acabar chorando de forma estereotipada. O mesmo acontece com o riso. Quem não conhece uma risada forçada e falsificada de um ator? Este tipo de interpretação não atua sobre o público de forma mais profunda; só vai tocar na periferia de seu sistema nervoso". O ator deve compreender a necessidade de realizar ações orgânicas, em que todo o seu ser esteja envolvido e presente: "o ator deve estar sério e não fingir seriedade". Para isto, ele deve acreditar no que faz, como "as crianças quando brincam - um pedaço de madeira passa a ser um carrinho ou um trem ou um avião e elas acreditam nesta transformação".

Ao fundar o Teatro de Arte de Moscou, juntamente com Vladimir Nemirovitch-Dantchenko (1858-1943), Stanislawski assim descreve o que pretendiam: "Nós estávamos protestando contra a forma de se atuar no palco, contra a teatrada e o pathos afetado, a declamação e a representação exagerada, contra o sistema de estrelato que arruinava o ensemble, contra o modo como as peças eram escritas, contra a insignificância dos repertórios. A fim de rejuvenescer a arte, declaramos guerra contra todos os convencionalismos do teatro: no desempenho, direção, cenário, trajes, entendimento das peças, etc". O trabalho do ator, que deve levar a um teatro profundamente veraz e artístico, tem de ser escrupulosamente preparado pelo trabalho com o ator.

Stanislawski, em toda sua vida, deu o exemplo de que é necessário estar preparado para o trabalho, principalmente o trabalho de laboratório e dos ensaios enquanto processos criativos sem espectadores e o treinamento para o ator. E o treinamento, indispensável para os atores, deve compor-se de exercícios de tipos distintos, mas ligados por um fim comum.
Cada "ação física" deve ser precedida por um movimento subcutâneo que flui do interior do corpo, desconhecido, porém tangível.
Diz Stanislawski: "Evitem no começo as tarefas demasiadamente difíceis. Agarrem com precisão as ações físicas ao seu alcance, busquem nelas a lógica e a conseqüência sem as quais não vão encontrar a verdade, a crença e finalmente esse estado que chamamos estou".






Voltar | Continua texto

Quer falar com a gente? (31) 3281.1196 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil / estudio@caleidoscopio.art.br || Produção: Caleidoscópio Multimídia